Pular para o conteúdo principal

Professor está sobrecarregado com tarefas que são dos pais, diz educador




Ao viajar o Brasil dando palestras para professores, o mestre em educação Marcos Meier, que já foi ele mesmo professor de matemática no Paraná, se deparou com uma tendência preocupante a partir dos depoimentos dos docentes. "O professor, que antigamente tinha tempo para ensinar o currículo, hoje tem que gastar 20 minutos corrigindo a indisciplina do aluno, fazendo-o sentar, pegar o caderno... Um monte de coisas da área da educação básica das famílias não está pronta, e o professor precisa dar conta disso", afirmou. Para ele, o professor tem sido obrigado a assumir uma tarefa que é relativa aos pais na educação de crianças e adolescentes.

Segundo o especialista, o acesso à informação e tecnologia nos últimos anos tem feito com que as relações se modifiquem e os adolescentes de hoje, vivendo em famílias cada vez mais ocupadas e passando horas excessivas do dia com o telefone, o computador e o videogame, não desenvolva os mecanismos de socialização necessários para o convívio pessoal.

O mestre em educação Marcos Meier (Foto: Divulgação)As famílias, para Meier, não devem ser divididas em "estruturadas" e "desestruturadas" por causa de sua formação, já que o aumento no número de divórcios tem criado novas relações. Ele defende o enfoque na funcionalidade da família. "Existem famílias com papai, mamãe e filhos que sãp desfuncionais, porque os pais não dão atenção às crianças, e famílias sem o pai, mas em que a mãe faz um trabalho maravilhoso, ou os avós e tios também ajudam", explicou.

A falta de tempo dos pais, também cada vez mais conectados às tecnologias, faz com que os poucos momentos com os filhos sejam de interação, com brincadeiras, jogos e diversão, e provoca a escassez momentos de intimidade necessários para construir uma relação de qualidade entre eles. O resultado é que as crianças hoje em dia chegam às escolas cada vez mais indisciplinadas, aumentando assim a exigência dos professores para manter a autoridade.

Do que se trata o tema geral?
A nossa sociedade hoje está sofrendo transformações muito grandes em termos de acesso à informação e tecnologia, que faz com que as relações se modifiquem. Os adolescentes antigamente se reuniam e ficavam horas dançando ou batendo papo, fazendo festas de garagem. Então eles eram obrigados a aprender a lidar com o cara chato, com o sarna, aquele que incomoda. O adolescente tem a característica de corrigir um ao outro, pegar no pé, isso é muito saudável para desenvolver mecanismos de socialização, a pedir com licença, por favor, desculpa.

E qual a diferença hoje?
Com a tecnologia, ele não tem mais a oportunidade do olho no olho, se não gostou de um cara, ele bloqueia no MSN [mensageiro instantâneo], na sala de bate-papo. O adolescente não está mais acostumado a aceitar crítica, ele fica frágil, não suporta as críticas. Isso faz também com que, na escola, o professor que exija um pouco mais é mal visto. O adolescente reclama, acha ruim, não está acostumado a receber esse tipo de cobrança do professor que pega no pé.

Como a família influencia esse comportamento?
A indisciplina tem aumentado bastante justamente por causa do tempo. As crianças estão cada vez menos sob orientação de um adulto. O pai dificilmente tem tempo para ficar com os filhos, a mãe trabalhando fora ainda tem todas as atividades da casa. Então ela tem momentos de interação, mas não tem momentos de intimidade. Tem aquela hora de fazer bagunça, e eles deixam regras de lado, ninguém quer pegar no pé do filho porque são tão poucos minutos para ficarem juntos. Então não tem qualidade essa relação. E esse estilo cada vez mais descomprometido tem efeitos na escola também.

Que efeitos? 
As crianças, que deveriam estar aprendendo a ter educação com os pais, acabam chegando na escola totalmente indisciplinadas, batendo e xingando em vez de conversarem. O professor, que antigamente tinha tempo para ensinar o currículo, hoje tem que gastar 20 minutos corrigindo a indisciplina do aluno, fazendo-o sentar, pegar o caderno... Um monte de coisas da área da educação básica das famílias não está pronta, e o professor precisa dar conta disso. De uma aula de 40 ou 50 minutos que poderia estar sendo muito bem aproveitada com conteúdo, 20 minutos com certeza estão sendo jogados no lixo. Isso vai irritando tanto o professor, que depois não tem paciência na hora de explicar o assunto. Ele está sendo exigido além da conta, o professor foi preparado para ensinar currículos escolares, não para dar a educação que a família antigamente ensinava.

A falta de interesse dos alunos na escola também não têm a ver com o abismo de gerações, já que os professores são muito menos adeptos das novas tecnologias?
É bom que professores aprendam a usar as novas tecnologias, mas temos um mito que é o seguinte: a gente acha que o aluno que usa computador e internet está aprendendo mais, mas quando passa um trabalho ou pesquisa para ele, o aluno não sabe filtrar informação na internet, o que aparecer no google eles colocam no trabalho deles. Não viram se era pegadinha, se o site tem autoridade. Eles acham que fizeram a pesquisa por colocar informações numa página, às vezes nem leram com atenção.
   
Esse é um problema generalizado?
Tem o outro lado, temos sim escolas com nível de educação de primeiro mundo, temos pesquisas na área da educação, da relação professor-aluno, suficientes para poder dar palestra a professores da Europa sobre como dar aula. O problema é que esse conhecimento que as boas escolas têm não chega a todas as escolas. Enquanto algumas escolas do Sul estão discutindo se usam lousa digital de uma ou outra marca, outras estão emendando quadro negro com cartolina porque ele está rachado.

Absorver a tecnologia é inevitável para a escola?
Tem escola hoje que proíbe que professores tenham Facebook porque alunos falam mal do professor e da escola lá. Por outro lado, tem escola incentivando que o professor tenha Facebook, que coloque os alunos como amigos para trocar informações e tirar dúvidas. Você pode usar a tecnologia a favor da aprendizagem ou vê-la como uma ameaça à escola. Mas esse tipo de visão retrógrada vai ter que desaparecer.

O que falta para isso acontecer?
Hoje temos uma problema que é a falta de softwares de qualidade para a escola. Tem software que o aluno dá um clique, vira uma página, dá outro clique, vira outra página. Aquilo nada mais é do que um livro em formato digital, mas o grau de interatividade é zero. Tem que tomar muito cuidado ao levar o aluno para o laboratório de informática. Às vezes é perder tempo com o computador, é melhor pegar um professor apaixonado por aquilo que ensina do que usar um software com baixo grau de interatividade. Isso em psicologia a gente chama de postura passivo-aceitante, é como a criança na frente da televisão, só recebe informação. Tem muito professor que coloca o aluno nessa postura, e também tem muito software que segue o mesmo caminho. A chave é a interação do aluno com o conhecimento. Pode ser no computador, sozinho ou com o professor em sala de aula. Desde que haja espaço para interagir com o conhecimento, é isso que precisa acontecer para o aluno aprender.


Comentários

MAIS VISTAS

Governo anuncia Comitê de Retorno às Aulas no Paraná

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) anunciou a criação do Comitê de Planejamento de Retorno às Aulas pós-Pandemia. A intenção é discutir, entre todos os envolvidos, um plano único e robusto de retorno das aulas presenciais em todo Paraná. É deste Comitê que sairá a data definitiva de retomada das atividades presenciais.O comitê terá dois grandes objetivos. O primeiro deles é estabelecer um plano robusto e unificado de retorno das aulas presenciais em todo o Paraná. O segundo objetivo é que o Comitê seja o canal oficial e confiável de informações sobre este retorno.
Farão parte do comitê representantes de todos os setores envolvidos na Educação do Paraná e representantes da Secretaria da Saúde do Paraná.
“Queremos trazer segurança para as famílias paranaenses e isso se faz com planejamento sério e informação”, destacou. “Este é o momento crítico da doença. Estamos acompanhando de perto o trabalho feito pela Secretaria da Saúde e só voltaremos quando pudermos garantir a segurança de…

Ensino médio da Bahia fica em último lugar em avaliação do MEC

Oensino médio da Bahia ficou em último lugar, no país, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referente ao ano passado, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Educação (MEC). Assista a reportagem completa com todos os dados no vídeo abaixo:

Bahia tem segundo pior resultado do país em avaliação do MEC
O Ideb é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro, a partir da combinação entre a proficiência obtida pelos estudantes em avaliações externas de larga escala (Saeb) e a taxa de aprovação - indicador que tem influência na eficiência do fluxo escolar.

De acordo com os dados, a Bahia ficou com 3,0 pontos no ensino médio - 1,3 abaixo da meta para o ano, que era de 4,3. Além disso, a nota foi um décimo menor que a do último levantamento, feito em 2015, quando o estado ficou com 3,1 pontos.

Os motivos apontados pelo estudo do MEC par…

Estágio Caixa 2021 tem pré-inscrição aberta para vários níveis. Bolsa Auxilio até R$1.000 + benefício

A Caixa Econômica Federal (CEF) deu início ao prazo de pré-inscrição para o Programa de Estágio Caixa 2021. As oportunidades são para alunos do ensino médio, técnico e superior.
Trata-se de um processo seletivo simplificado, com validade nacional. Em parceria com o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), as vagas são para diversos municípios distribuídos em todo o Brasil.
Quem pode concorrer a uma das vagas do Estágio Caixa 2020? É permitido a participação do candidato se atendidas as seguintes atribuições:
Nível Médio/Técnico
Estudantes de cursos técnicos em Administração; Estudantes de nível técnico e integrados ao ensino médio nas áreas de Administração, Secretariado e Finanças que estejam cursando entre o 1º e o penúltimo semestre do curso; Estudantes de nível médio regular que estejam cursando do 1º ao 2º do ensino médio ou o programa de Edução de Jovens e Adultos (EJA) que estejam curando do 1º ao 3º ano; De acordo com o edital, entende-se por nível médio os cursos técnicos integra…

Seleção Aberta na área de Pedagogia. Salário de R$ 4.500,00 + benefícios

Organização procura Coordenador Pedagógico para atuar em Pinheiros na zona oeste de São Paulo.

Este profissional irá participar da elaboração, implementação de projetos; aplicar metodologias e técnicas para facilitar o processo de ensino e aprendizagem implementar, avaliar, coordenar o desenvolvimento de projetos pedagógicos/institucionais nas modalidades de ensino presencial e/ou a distância.

Também ficará responsável por avaliar atividades ofertadas e as metodologias de ensino utilizados; acompanhar o processo de aprendizagem dos atendidos; e garantir que os objetivos educacionais sejam alcançados.

Necessário ter curso superior na área de Educação; desejável experiência no terceiro setor; demonstrar criatividade, proatividade, flexibilidade, capacidade de comunicação verbal e escrita, trabalhar em equipe, administrar conflitos e comunicação verbal de escrita.

Benefícios: VT, convenio medico, convenio odontológico, seguro de vida, refeitório no local.
Salário: R$ 4.500,00.

Local: Pinheiros…