Pular para o conteúdo principal

No Brasil, a carreira de professor está se tornando uma passagem, um momento de transição para outras funções.




No Brasil, a carreira de professor está se tornando uma passagem, um momento de transição para outras funções. O profissional fica no magistério somente até conseguir um cargo mais bem remunerado e provavelmente menos estressante. Prova disso é que 25% dos docentes brasileiros têm menos de 30 anos e apenas 12% estão com idade acima de 50, bem diferente do que ocorre em outros países. Aqui, o professor ingressa no magistério ainda jovem, mas em poucos anos, deixa de ver perspectivas.

A categoria está entre as mais sensíveis à síndrome de burnout. São profissionais que entram na educação movidos pelo desejo de mudança social e lidam diariamente com o desalinhamento entre o sonho e a impossibilidade de alcançá-lo, entre a impotência diante do sistema de ensino e a cobrança da sociedade. Por exemplo, no Distrito Federal, só no primeiro semestre de 2014, foram emitidos 16,4 mil atestados médicos para professores da rede pública – o que significa mais da metade dos 32 mil concursados. Esses dados se repetem pelos estados e municípios brasileiros. A segunda consequência é a perda de talentos, uma vez que muitos dos profissionais acabam aceitando propostas de trabalho em outras áreas.

A baixa remuneração é a gota d’água num contexto desastroso, que combina elementos como superlotação das salas de aula, aumento da indisciplina e do desrespeito pelos mestres, indiferença das famílias e desprestígio social da profissão, falta de estrutura e de recursos nas escolas e o próprio despreparo dos professores para lidar com os desafios educativos de hoje. Esse quadro tem como primeira consequência o chamado “mal-estar docente”: cada vez mais professores adoecem com problemas psicológicos associados a estresse, exaustão emocional, depressão, cansaço crônico e frustração.


No Brasil, faltam 150 mil professores em disciplinas como química, biologia, física e matemática. No total, estima-se que haja carência de 300 a 400 mil professores nas salas de aula. A solução para que os alunos não fiquem sem fazer nada é recorrer a profissionais sem a devida formação. De acordo com o Censo Escolar 2013, o Brasil tem quase meio milhão de professores ativos sem diploma de graduação, o que equivale a 21,9% do total de 2 milhões de docentes.

Esse cenário funciona como barreira de entrada para novos talentos. Uma pesquisa da Fundação Carlos Chagas mostrou que apenas 2% dos jovens brasileiros querem ser professores. É justamente o oposto do que ocorre na Coreia do Sul, país que lidera os rankings da educação, onde a profissão é tão disputada que fica restrita aos jovens que mais se destacam nos estudos. É extremamente preocupante constatar que muitos dos calouros brasileiros que optam pela carreira de professor são aqueles que não teriam chance de cursar o ensino superior em outras áreas.
Fonte: g1.globo.com


Comentários

  1. Ninguém foge do Paraíso. Há poucos profissionais com a formação devida em várias disciplinas, mas o que mais falta mesmo é respeito para com essa categoria. A maioria julga que essa profissão é de otários, ou de perdedores.

    ResponderExcluir
  2. É muito triste a situação que se encontra a educação em nosso país, mas infelizmente isso vem de longe. As situações citadas acima é somente parte das coisas que acontecem uma vez que temos profissionais que tem formação e parece não ter, outros tendo formação entra em sala e mostra para que está ali mas não é reconhecido e nem respeitado pela gestão e coordenação e muitas vezes pelos próprios colegas de trabalho. Dentro do ambiente escolar serve quem puxa saco do gestor ou do coordenador e não quem tem capacidade isso faz parte do corporativismo que temos no Brasil não só no ambiente escolar. Vale ressaltar que a educação no Brasil nunca foi valorizada sempre ficou em segundo plano... Para que formar cidadãos? Para ir para Rua lutar contra políticos corruptos... Então é esse o pensamento que se tem sobre educação infelizmente. Sou formada em pedagogia há pouco tempo. O que pude confirmar no pouco tempo que trabalhei na educação é que corrupção é uma hierarquia. Triste falar isso, sei que muitos vão me odiar ao ler isso mas essa é minha opinião. Reclamamos dos políticos e odiamos os mesmos porém o que fazemos para melhorar isso???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza ! No ambiente escolar infelizmente a imagem que construímos com os gestores é mais importante que nosso trabalho dentro de sala de aula .

      Excluir
  3. Amo o que faço, tenho 20 anos de Magistério, mas se pudesse mudar de profissão, certamente mudaria. Estou cansada de dar murro em ponta de faca!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sugestões de palavras e expressões para uso em relatórios de alunos

      Escrever não depende de dom, mas de empenho, dedicação, compromisso, seriedade, desejo e crença na possibilidade de ter algo a dizer que vale a pena sobre seu aluno. É importante criticar e sugerir possíveis soluções. Escrever é um procedimento e, como tal, depende de exercitação. E encontrar a melhor maneira de expressar o comportamento de alguém não é fácil, exige muita cautela e perspicácia. Por isso segue sugestões de palavras e expressões para uso em relatórios de alunos. Coloque sempre as intervenções feitas para ações apresentadas, isso ressalta trabalho. SUGESTÕES DE PALAVRAS E EXPRESSÕES PARA USO EM RELATÓRIOS Você pensa Você escreve O aluno não sabe O aluno não adquiriu os conceitos, está em fase de aprendizado. Não tem limites Apresenta dificuldades de auto-regulação, pois… É nervoso Ainda não desenvolveu habilidades para convívio no ambiente escolar, pois

Aberto Concurso Público com 350 vagas para TODOS OS NÍVEIS salários de R$ 5.472,14

O Instituto Brasileiro de Gestão e Pesquisa (IBGP), publicou a realização de um novo Concurso Público que tem como  propósito  a admissão de 350 profissionais de níveis fundamental, médio/técnico e superior. A seleção é destinada a Prefeitura de Nova Serrana MG. Aos profissionais admitidos irão desempenhar funções em carga horária de 20 a 40 horas semanais ou escalas de 12x36 e contarão com salários de R$ 1.100,00 a R$ 5.472,14 ao mês. Oportunidades Ao todo serão preenchidas 350 vagas, distribuídas entre os cargos de:  Nível Fundamental Agente de Apoio da Assistência Social I - Faxineiro (4); Artífice de Obras e Serviços Públicos - Eletricista (3); Artífice de Obras e Serviços Públicos - Sepultador (2); Operador de Máquinas Pesadas e Equipamentos (1); Agente de Apoio da Assistência Social II - Cozinheira de Apoio da Assistência Social (1); Motorista de Apoio Administrativo - Motorista N1 (1); Motorista de Apoio Administrativo - Motorista N2 (2); Motorista de Apoio Assistência Socia

Entenda a diferença entre CEIs, EMEIs, CEMEI, CEIIs e EMEBS na Educação básica de SP

N a Educação Infantil, as crianças convivem e aprendem em ambientes adequados às suas necessidades e interesses, de acordo com sua faixa etária. Os educadores promovem a convivência e o relacionamento com outras crianças e adultos, desde o primeiro ano de vida, como forma de garantir o direito das crianças a uma educação integral e de boa qualidade social, que respeite as necessidades da pequena infância.  Na cidade de São Paulo, há cinco tipos de unidades públicas destinadas à educação infantil:  – CEIs -  Centros de Educação Infantil e Creches Conveniadas, para crianças de zero a 3 anos e 11 meses;  – EMEIs -  Escolas Municipais de Educação Infantil, que atendem crianças de 4 a 5 anos e 11 meses;  – CEMEI -  Centro Municipal de Educação Infantil, que recebe crianças de zero a 5 anos e 11 meses;  – CEIIs -  Centros de Educação Infantil Indígena, que integram os CECIs - Centros de Educação e Cultura Indígena, e trabalham com crianças de zero a 5 anos e 11 meses; e  – EME

10 Dicas para melhorar a fluência de leitura de seus alunos.

E studos comprovam que a ler ajuda a desenvolver o cérebro, ter melhor desempenho acadêmico e até mesmo a criar uma sociedade mais igualitária. Estimular crianças a tomar gosto pelos livros é uma missão importante de pais e educadores. Crie um ambiente confortável que estimule a leitura, no qual a criança tenha acesso aos livros sempre que quiser, com iluminação adequada. Organize as obras em locais agradáveis e de fácil acesso para que tenham facilidade em visualizar os livros e pegá-los sempre que quiserem. DICAS 1- A fluência crescente em seu aluno começa com a modelagem apropriada. Uma dica prática para usar no início é ler um livro juntos pelo menos uma vez ao dia. Sente-se com seus alunos e leia o texto com expressão e usando um ritmo natural. Ao ler as palavras em voz alta seu aluno adotará sua cadência e estilo. 2- A prática guiada é uma ferramenta extremamente eficaz para melhorar a fluidez da leitura e pode ser usada em conjunto com a dica de leitura mencionada anter

BNCC: Entenda como deve ser a transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é considerada fundamental para reduzir desigualdades na educação no Brasil e países desenvolvidos já organizam o ensino por meio de bases nacionais. E ela também estabelece como deve ser a transição entre essas duas etapas da Educação Básica. De acordo com a BNCC essa transição requer muita atenção, para que haja equilíbrio entre as mudanças introduzidas, garantindo integração e continuidade dos processos de aprendizagens das crianças, respeitando suas singularidades e as diferentes relações que elas estabelecem com os conhecimentos, assim como a natureza das mediações de cada etapa. Torna-se necessário estabelecer estratégias de acolhimento e adaptação tanto para as crianças quanto para os docentes, de modo que a nova etapa se construa com base no que a criança sabe e é capaz de fazer, em uma perspectiva de continuidade de seu percurso educativo. Para isso, as informações contidas em relatórios, portfólios ou outros registros que e