Pular para o conteúdo principal

No Brasil, a carreira de professor está se tornando uma passagem, um momento de transição para outras funções.




No Brasil, a carreira de professor está se tornando uma passagem, um momento de transição para outras funções. O profissional fica no magistério somente até conseguir um cargo mais bem remunerado e provavelmente menos estressante. Prova disso é que 25% dos docentes brasileiros têm menos de 30 anos e apenas 12% estão com idade acima de 50, bem diferente do que ocorre em outros países. Aqui, o professor ingressa no magistério ainda jovem, mas em poucos anos, deixa de ver perspectivas.

A categoria está entre as mais sensíveis à síndrome de burnout. São profissionais que entram na educação movidos pelo desejo de mudança social e lidam diariamente com o desalinhamento entre o sonho e a impossibilidade de alcançá-lo, entre a impotência diante do sistema de ensino e a cobrança da sociedade. Por exemplo, no Distrito Federal, só no primeiro semestre de 2014, foram emitidos 16,4 mil atestados médicos para professores da rede pública – o que significa mais da metade dos 32 mil concursados. Esses dados se repetem pelos estados e municípios brasileiros. A segunda consequência é a perda de talentos, uma vez que muitos dos profissionais acabam aceitando propostas de trabalho em outras áreas.

A baixa remuneração é a gota d’água num contexto desastroso, que combina elementos como superlotação das salas de aula, aumento da indisciplina e do desrespeito pelos mestres, indiferença das famílias e desprestígio social da profissão, falta de estrutura e de recursos nas escolas e o próprio despreparo dos professores para lidar com os desafios educativos de hoje. Esse quadro tem como primeira consequência o chamado “mal-estar docente”: cada vez mais professores adoecem com problemas psicológicos associados a estresse, exaustão emocional, depressão, cansaço crônico e frustração.


No Brasil, faltam 150 mil professores em disciplinas como química, biologia, física e matemática. No total, estima-se que haja carência de 300 a 400 mil professores nas salas de aula. A solução para que os alunos não fiquem sem fazer nada é recorrer a profissionais sem a devida formação. De acordo com o Censo Escolar 2013, o Brasil tem quase meio milhão de professores ativos sem diploma de graduação, o que equivale a 21,9% do total de 2 milhões de docentes.

Esse cenário funciona como barreira de entrada para novos talentos. Uma pesquisa da Fundação Carlos Chagas mostrou que apenas 2% dos jovens brasileiros querem ser professores. É justamente o oposto do que ocorre na Coreia do Sul, país que lidera os rankings da educação, onde a profissão é tão disputada que fica restrita aos jovens que mais se destacam nos estudos. É extremamente preocupante constatar que muitos dos calouros brasileiros que optam pela carreira de professor são aqueles que não teriam chance de cursar o ensino superior em outras áreas.
Fonte: g1.globo.com


Comentários

  1. Ninguém foge do Paraíso. Há poucos profissionais com a formação devida em várias disciplinas, mas o que mais falta mesmo é respeito para com essa categoria. A maioria julga que essa profissão é de otários, ou de perdedores.

    ResponderExcluir
  2. É muito triste a situação que se encontra a educação em nosso país, mas infelizmente isso vem de longe. As situações citadas acima é somente parte das coisas que acontecem uma vez que temos profissionais que tem formação e parece não ter, outros tendo formação entra em sala e mostra para que está ali mas não é reconhecido e nem respeitado pela gestão e coordenação e muitas vezes pelos próprios colegas de trabalho. Dentro do ambiente escolar serve quem puxa saco do gestor ou do coordenador e não quem tem capacidade isso faz parte do corporativismo que temos no Brasil não só no ambiente escolar. Vale ressaltar que a educação no Brasil nunca foi valorizada sempre ficou em segundo plano... Para que formar cidadãos? Para ir para Rua lutar contra políticos corruptos... Então é esse o pensamento que se tem sobre educação infelizmente. Sou formada em pedagogia há pouco tempo. O que pude confirmar no pouco tempo que trabalhei na educação é que corrupção é uma hierarquia. Triste falar isso, sei que muitos vão me odiar ao ler isso mas essa é minha opinião. Reclamamos dos políticos e odiamos os mesmos porém o que fazemos para melhorar isso???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza ! No ambiente escolar infelizmente a imagem que construímos com os gestores é mais importante que nosso trabalho dentro de sala de aula .

      Excluir
  3. Amo o que faço, tenho 20 anos de Magistério, mas se pudesse mudar de profissão, certamente mudaria. Estou cansada de dar murro em ponta de faca!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS VISTAS

Governo anuncia Comitê de Retorno às Aulas no Paraná

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) anunciou a criação do Comitê de Planejamento de Retorno às Aulas pós-Pandemia. A intenção é discutir, entre todos os envolvidos, um plano único e robusto de retorno das aulas presenciais em todo Paraná. É deste Comitê que sairá a data definitiva de retomada das atividades presenciais.O comitê terá dois grandes objetivos. O primeiro deles é estabelecer um plano robusto e unificado de retorno das aulas presenciais em todo o Paraná. O segundo objetivo é que o Comitê seja o canal oficial e confiável de informações sobre este retorno.
Farão parte do comitê representantes de todos os setores envolvidos na Educação do Paraná e representantes da Secretaria da Saúde do Paraná.
“Queremos trazer segurança para as famílias paranaenses e isso se faz com planejamento sério e informação”, destacou. “Este é o momento crítico da doença. Estamos acompanhando de perto o trabalho feito pela Secretaria da Saúde e só voltaremos quando pudermos garantir a segurança de…

Ensino médio da Bahia fica em último lugar em avaliação do MEC

Oensino médio da Bahia ficou em último lugar, no país, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referente ao ano passado, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Educação (MEC). Assista a reportagem completa com todos os dados no vídeo abaixo:

Bahia tem segundo pior resultado do país em avaliação do MEC
O Ideb é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro, a partir da combinação entre a proficiência obtida pelos estudantes em avaliações externas de larga escala (Saeb) e a taxa de aprovação - indicador que tem influência na eficiência do fluxo escolar.

De acordo com os dados, a Bahia ficou com 3,0 pontos no ensino médio - 1,3 abaixo da meta para o ano, que era de 4,3. Além disso, a nota foi um décimo menor que a do último levantamento, feito em 2015, quando o estado ficou com 3,1 pontos.

Os motivos apontados pelo estudo do MEC par…

Estágio Caixa 2021 tem pré-inscrição aberta para vários níveis. Bolsa Auxilio até R$1.000 + benefício

A Caixa Econômica Federal (CEF) deu início ao prazo de pré-inscrição para o Programa de Estágio Caixa 2021. As oportunidades são para alunos do ensino médio, técnico e superior.
Trata-se de um processo seletivo simplificado, com validade nacional. Em parceria com o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), as vagas são para diversos municípios distribuídos em todo o Brasil.
Quem pode concorrer a uma das vagas do Estágio Caixa 2020? É permitido a participação do candidato se atendidas as seguintes atribuições:
Nível Médio/Técnico
Estudantes de cursos técnicos em Administração; Estudantes de nível técnico e integrados ao ensino médio nas áreas de Administração, Secretariado e Finanças que estejam cursando entre o 1º e o penúltimo semestre do curso; Estudantes de nível médio regular que estejam cursando do 1º ao 2º do ensino médio ou o programa de Edução de Jovens e Adultos (EJA) que estejam curando do 1º ao 3º ano; De acordo com o edital, entende-se por nível médio os cursos técnicos integra…

Seleção Aberta na área de Pedagogia. Salário de R$ 4.500,00 + benefícios

Organização procura Coordenador Pedagógico para atuar em Pinheiros na zona oeste de São Paulo.

Este profissional irá participar da elaboração, implementação de projetos; aplicar metodologias e técnicas para facilitar o processo de ensino e aprendizagem implementar, avaliar, coordenar o desenvolvimento de projetos pedagógicos/institucionais nas modalidades de ensino presencial e/ou a distância.

Também ficará responsável por avaliar atividades ofertadas e as metodologias de ensino utilizados; acompanhar o processo de aprendizagem dos atendidos; e garantir que os objetivos educacionais sejam alcançados.

Necessário ter curso superior na área de Educação; desejável experiência no terceiro setor; demonstrar criatividade, proatividade, flexibilidade, capacidade de comunicação verbal e escrita, trabalhar em equipe, administrar conflitos e comunicação verbal de escrita.

Benefícios: VT, convenio medico, convenio odontológico, seguro de vida, refeitório no local.
Salário: R$ 4.500,00.

Local: Pinheiros…