Pular para o conteúdo principal

Educação domiciliar (Homeschooling) deve ser votada no STF nesta semana; entenda o que é


Faz pouco mais de um ano que a professora Paula Martins, de 37 anos, educa os filhos Gabriel, de 7, e Chloe, de 5, em casa. Desde que a família teve de se mudar de João Pessoa (PB) para o Rio de Janeiro, em agosto de 2016, ela e o marido decidiram adotar o “homeschooling”, prática chamada no Brasil de educação domiciliar. Nesse modelo de ensino, as crianças não vão para a escola e são educadas pelos pais, em casa. O Conselho Nacional da Educação (CNE) é contra a prática (leia mais abaixo).

Entretanto, a decisão de um julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) marcado para esta quinta-feira (30) pode por fim à rotina da família. Os ministros vão definir se a prática de ensino será permitida, e caso não passe pelo crivo da Corte, Paula terá de matricular os filhos na escola.

“Estamos esperando a decisão do Supremo, caso não seja favorável, vamos seguir a lei”, diz Paula, formada em letras e com experiência na carreira docente. A família tem hábitos regrados, com horário para acordar e tomar café da manhã. O período matutino é dedicado às atividades formais, como o ensino de matemática, português e inglês. Depois do almoço, o horário é reservado para atividades mais lúdicas que envolvem artes, piano, experiências científicas e jogos. Por volta das 16h eles saem de casa para fazer passeios.

ARGUMENTOS

Um dos principais argumentos de quem condena o método é o fato de que a educação domiciliar pode privar as crianças da interação social. Para a Advocacia Geral da União (AGU), que representa o Ministério da Educação e o Conselho Nacional de Educação, a prática é inconstitucional porque a escola é importante para dar ao estudante experiências e visões diferentes daquelas apresentadas pela família.

Paula não vê essa questão como um problema. “Na escola as crianças passam o dia todo com crianças da mesma idade e têm menos oportunidade de interagir com outras. Agora elas brincam na praça, no parque com crianças de outras idades e quando estão juntos não dá para saber a diferença de quem é educado na rede pública, na particular ou em casa.”

O diretor jurídico da Associação Nacional de Educação Familiar (Aned), Alexandre Magno Fernandes Moreira, rechaça o argumento de que a socialização seja impeditivo para adoção do homeschooling. Para ele, a interação social dentro da escola acontece de maneira limitada e é bastante questionada se é feita de maneira saudável.

Cesar Callegari, conselheiro do Conselho Nacional da Educação (CNE), diz que há uns dez anos o órgão emitiu um parecer desaconselhando a prática e que a recomendação segue a mesma. "A norma brasileira diz que a educação familiar não é admitida. É direito da criança frequentar a escola, conviver com outras crianças diariamente e aprender com a diversidade."

STF

A ação a ser julgada no STF surgiu em 2012, quando uma estudante de Canela (RS), à época com 11 anos, pediu ao juiz da cidade, com apoio dos pais, o direito de ser educada em casa. Até 2011, ela havia estudado numa escola pública da cidade, mas queria cursar o ensino médio com ajuda dos pais em casa. Motivo: a escola juntava na mesma classe alunos de idades e séries diferentes. Os colegas mais velhos, diziam os pais, tinham sexualidade avançada e falavam palavrões, o que, para eles, não refletia um critério ideal de convivência e socialização.

O juiz da comarca negou o pedido. Argumentou que “o convívio em sociedade implica respeitar as diferenças” e que a escola é o primeiro lugar em que a criança se vê diante disso, no contato com colegas de diferentes “religiões, cor, preferência musical, até de nacionalidades distintas, etc”. “O mundo não é feito de iguais”, escreveu o juiz na sentença. A decisão foi mantida na segunda instância da Justiça pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS).

A família recorreu ao Supremo Tribunal Federal e, em 2016, o ministro Luís Roberto Barroso suspendeu todas as decisões judiciais que impediam pais de educarem os filhos em casa até a uma posição final do STF sobre o assunto. A solução a ser adotada pelo Supremo – com proibição ou permissão, com ou sem parâmetros mínimos para a prática do “homeschooling” no Brasil – valerá para todos os casos.
Fonte: g1.globo.com/educacao


Comentários

MAIS VISTAS

Ensino médio da Bahia fica em último lugar em avaliação do MEC

Oensino médio da Bahia ficou em último lugar, no país, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referente ao ano passado, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Educação (MEC). Assista a reportagem completa com todos os dados no vídeo abaixo:

Bahia tem segundo pior resultado do país em avaliação do MEC
O Ideb é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro, a partir da combinação entre a proficiência obtida pelos estudantes em avaliações externas de larga escala (Saeb) e a taxa de aprovação - indicador que tem influência na eficiência do fluxo escolar.

De acordo com os dados, a Bahia ficou com 3,0 pontos no ensino médio - 1,3 abaixo da meta para o ano, que era de 4,3. Além disso, a nota foi um décimo menor que a do último levantamento, feito em 2015, quando o estado ficou com 3,1 pontos.

Os motivos apontados pelo estudo do MEC par…

Inscrições abertas para Processo Seletivo. Salários até R$ 2.886,15

 A Prefeitura Municipal de Paula Freitas, no Paraná, abriu inscrições de processo seletivo simplificado que tem por objetivo a contração de profissionais em cargos de níveis médio, técnico, magistério e superior.

As vagas destinadas são para os cargos:

Educador Infantil;
Cuidador – Casa Lar;
Auxiliar de cuidador;
Técnico em Enfermagem;
Assistente Social;
Professor Séries Iniciais;
Motorista;
Enfermeiro;
e Psicólogo.


Os salários oferecidos variam entre R$ 1.835,83 e R$ 2.886,15, por carga horária de 20 e 40 horas semanais.

INSCRIÇÃO

Os interessados em concorrer a uma das vagas poderão se inscrever até às 16h do dia 20 de maio de 2020, na Secretaria Municipal de Educação, Veja o Edital 

PROVAS
O processo seletivo contará com apenas análise de currículos e experiência. A seleção é válido por 12 meses, a contar da data de homologação do resultado final, prazo este que poderá ser prorrogado uma vez, por igual período, a critério da administração municipal.

Acesse o edital AQUI (pag 383 a 393)

Informações d…

Estado abre Concurso com 130 vagas para Aluno-Oficial. Salário de R$ 3.268,33

Foi publicado no Diário Oficial o novo edital de concurso público para Polícia Militar do Estado de São Paulo (Concurso PM SP 2020).

O certame é para o cargo de  aluno-oficial, cargo de nível médio. Serão oferecidas, ao todo, 130 vagas.

Os salários vão chegar a R$ 3.268,33, distribuído da seguinte forma:
padrão no valor de R$ 1.262,23 (mil, duzentos e sessenta e dois reais e vinte e três centavos), Regime Especial de Trabalho Policial (RETP); valor de R$ 1.262,23 (mil, duzentos e sessenta e dois reais e vinte e três centavos) e insalubridade, valor de R$ 743,87 (setecentos e quarenta e três reais e oitenta e sete centavos).
A inscrição para o Concurso PM SP pode ser realizada pelo endereço eletrônico https://fgvprojetos.fgv.br/concursos/pmesp2020 no período das 10h00 de 15 de abril de 2020 às 23h59 de 15 de maio de 2020, mediante pagamento de taxa de inscrição no valor de R$ 130,00.

Acesse o edital AQUI
A Prova Objetiva (Parte I), constará de 80 (oitenta) questões de múltipla escolha com cinc…

Aberto em SP Concurso e Seleção para níveis médio e superior. Salários até R$ 8.257,62

A Prefeitura de Mogi das Cruzes,  localizado na Zona leste da Região Metropolitana de São Paulo, anunciou os editais do concurso público do Instituto de Previdência Municipal de Mogi das Cruzes (Iprem), para os cargos de auxiliar de apoio administrativo e contador, e de um processo seletivo interno da Secretaria Municipal de Educação para as funções de confiança de coordenador pedagógico e supervisor de ensino.

No concurso do Iprem, são vagas para auxiliar de apoio administrativo, sendo uma de ampla concorrência e uma para pessoa com deficiência. O cargo exige ensino médio completo e o salário é de R$ 3.064,73. A taxa de inscrição será de R$ 50,00.
Para contador, o concurso oferece uma vaga. O candidato deve ter curso superior completo em Contabilidade e registro no respectivo conselho. O salário é de R$ 6.518,88. O valor da inscrição será R$ 70,00.

No processo seletivo da Secretaria de Educação, são cinco vagas para coordenador pedagógico, sendo quatro para ampla concorrência e uma para…