Pular para o conteúdo principal

Entenda o que é o Fundeb e por que ele está causando tanta polêmica.




O Congresso discute renovação do fundo da educação básica, que termina neste ano. Em 2019, despesas com educação recuaram pelo terceiro ano seguido, segundo dados do Tesouro. A existência do fundo, que recebe aportes obrigatórios de municípios, estados, Distrito Federal e União, é uma forma de garantir que o governo destinará certa quantidade mínima de recursos para a educação básica. 

Além disso, o Fundeb tem como objetivo diminuir as disparidades da qualidade da educação pelo país. Seus recursos são distribuídos de tal forma que o investimento por aluno em cada município ou estado nunca seja inferior a um valor mínimo fixado para cada ano. O Fundeb ganhou uma importância histórica no Brasil por ter ajudado a universalizar a educação no país, junto com seu antecessor, o Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério), implementado em 1998.

Em um momento no qual o Congresso Nacional discute a renovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), os números oficiais mostram que as despesas do governo com educação vêm registrando queda nos últimos anos.

A União atua, principalmente, no ensino superior. Os estados brasileiros, por sua vez, são responsáveis, em parceria com os municípios, por ações no ensino fundamental e médio. Além da arrecadação própria, os estados e municípios também recebem repasses de recursos do governo federal.

O debate envolve cifras grandiosas: em 2020, o Fundeb vai destinar R$ 168 bilhões em recursos para as instituições públicas de educação básica no Brasil. O termo “educação básica” engloba tanto a educação infantil como os ensinos fundamental e médio.

O que está em jogo nesta semana é uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de relatoria da deputada Professora Dorinha (DEM-TO), que pode, entre outras coisas, dar estatura constitucional ao Fundeb e aumentar a participação da União no repasse de recursos ao fundo.

Há também outra possibilidade, motivo de bastante polêmica nos últimos dias: a de que o Fundeb seja paralisado, e que, no próximo ano, a forma de destinar recursos à educação pública seja definida pelos estados e municípios sem o intermédio de um fundo.

A existência do fundo, que recebe aportes obrigatórios de municípios, estados, Distrito Federal e União, é uma forma de garantir que o governo destinará certa quantidade mínima de recursos para a educação básica. Além disso, o Fundeb tem como objetivo diminuir as disparidades da qualidade da educação pelo país. Seus recursos são distribuídos de tal forma que o investimento por aluno em cada município ou estado nunca seja inferior a um valor mínimo fixado para cada ano.

O governo quer limitar a 70% o percentual do fundo destinado ao pagamento dos profissionais da educação básica. O texto na Câmara trata 70% como o percentual mínimo.

A contraproposta do governo permite ainda que estados e municípios usem dinheiro do Fundeb para pagar aposentadorias e pensões, o que é vedado pelo texto da relatora.

A proposta do governo prevê que, dos dez pontos percentuais de aumento na participação da União, metade vá para "transferência direta de renda para famílias com crianças em idade escolar que se encontrem em situação de pobreza ou extrema pobreza". A intenção é que os recursos venham a compor o Renda Brasil, programa que deve substituir o Bolsa Família. A proposta na Câmara não prevê dinheiro para esse tipo de assistência.

Ao contrário dos gastos discricionários, os repasses do governo federal para o Fundeb não estão dentro da regra do teto de gastos — fazem parte das exceções fixadas em lei. Com isso, não sofrem essas restrições e podem ter um aumento maior.

Mas o fundo não é uma unanimidade. Seus críticos costumam apontar que os seus recursos são mal aplicados, e que a universalização da educação foi conquistada em detrimento da qualidade do ensino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sugestões de palavras e expressões para uso em relatórios de alunos

      Escrever não depende de dom, mas de empenho, dedicação, compromisso, seriedade, desejo e crença na possibilidade de ter algo a dizer que vale a pena sobre seu aluno. É importante criticar e sugerir possíveis soluções. Escrever é um procedimento e, como tal, depende de exercitação. E encontrar a melhor maneira de expressar o comportamento de alguém não é fácil, exige muita cautela e perspicácia. Por isso segue sugestões de palavras e expressões para uso em relatórios de alunos. Coloque sempre as intervenções feitas para ações apresentadas, isso ressalta trabalho. SUGESTÕES DE PALAVRAS E EXPRESSÕES PARA USO EM RELATÓRIOS Você pensa Você escreve O aluno não sabe O aluno não adquiriu os conceitos, está em fase de aprendizado. Não tem limites Apresenta dificuldades de auto-regulação, pois… É nervoso Ainda não desenvolveu habilidades para convívio no ambiente escolar, pois

Aberto Concurso Público com 350 vagas para TODOS OS NÍVEIS salários de R$ 5.472,14

O Instituto Brasileiro de Gestão e Pesquisa (IBGP), publicou a realização de um novo Concurso Público que tem como  propósito  a admissão de 350 profissionais de níveis fundamental, médio/técnico e superior. A seleção é destinada a Prefeitura de Nova Serrana MG. Aos profissionais admitidos irão desempenhar funções em carga horária de 20 a 40 horas semanais ou escalas de 12x36 e contarão com salários de R$ 1.100,00 a R$ 5.472,14 ao mês. Oportunidades Ao todo serão preenchidas 350 vagas, distribuídas entre os cargos de:  Nível Fundamental Agente de Apoio da Assistência Social I - Faxineiro (4); Artífice de Obras e Serviços Públicos - Eletricista (3); Artífice de Obras e Serviços Públicos - Sepultador (2); Operador de Máquinas Pesadas e Equipamentos (1); Agente de Apoio da Assistência Social II - Cozinheira de Apoio da Assistência Social (1); Motorista de Apoio Administrativo - Motorista N1 (1); Motorista de Apoio Administrativo - Motorista N2 (2); Motorista de Apoio Assistência Socia

Entenda a diferença entre CEIs, EMEIs, CEMEI, CEIIs e EMEBS na Educação básica de SP

N a Educação Infantil, as crianças convivem e aprendem em ambientes adequados às suas necessidades e interesses, de acordo com sua faixa etária. Os educadores promovem a convivência e o relacionamento com outras crianças e adultos, desde o primeiro ano de vida, como forma de garantir o direito das crianças a uma educação integral e de boa qualidade social, que respeite as necessidades da pequena infância.  Na cidade de São Paulo, há cinco tipos de unidades públicas destinadas à educação infantil:  – CEIs -  Centros de Educação Infantil e Creches Conveniadas, para crianças de zero a 3 anos e 11 meses;  – EMEIs -  Escolas Municipais de Educação Infantil, que atendem crianças de 4 a 5 anos e 11 meses;  – CEMEI -  Centro Municipal de Educação Infantil, que recebe crianças de zero a 5 anos e 11 meses;  – CEIIs -  Centros de Educação Infantil Indígena, que integram os CECIs - Centros de Educação e Cultura Indígena, e trabalham com crianças de zero a 5 anos e 11 meses; e  – EME

10 Dicas para melhorar a fluência de leitura de seus alunos.

E studos comprovam que a ler ajuda a desenvolver o cérebro, ter melhor desempenho acadêmico e até mesmo a criar uma sociedade mais igualitária. Estimular crianças a tomar gosto pelos livros é uma missão importante de pais e educadores. Crie um ambiente confortável que estimule a leitura, no qual a criança tenha acesso aos livros sempre que quiser, com iluminação adequada. Organize as obras em locais agradáveis e de fácil acesso para que tenham facilidade em visualizar os livros e pegá-los sempre que quiserem. DICAS 1- A fluência crescente em seu aluno começa com a modelagem apropriada. Uma dica prática para usar no início é ler um livro juntos pelo menos uma vez ao dia. Sente-se com seus alunos e leia o texto com expressão e usando um ritmo natural. Ao ler as palavras em voz alta seu aluno adotará sua cadência e estilo. 2- A prática guiada é uma ferramenta extremamente eficaz para melhorar a fluidez da leitura e pode ser usada em conjunto com a dica de leitura mencionada anter

BNCC: Entenda como deve ser a transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é considerada fundamental para reduzir desigualdades na educação no Brasil e países desenvolvidos já organizam o ensino por meio de bases nacionais. E ela também estabelece como deve ser a transição entre essas duas etapas da Educação Básica. De acordo com a BNCC essa transição requer muita atenção, para que haja equilíbrio entre as mudanças introduzidas, garantindo integração e continuidade dos processos de aprendizagens das crianças, respeitando suas singularidades e as diferentes relações que elas estabelecem com os conhecimentos, assim como a natureza das mediações de cada etapa. Torna-se necessário estabelecer estratégias de acolhimento e adaptação tanto para as crianças quanto para os docentes, de modo que a nova etapa se construa com base no que a criança sabe e é capaz de fazer, em uma perspectiva de continuidade de seu percurso educativo. Para isso, as informações contidas em relatórios, portfólios ou outros registros que e