Pular para o conteúdo principal

Em um sistema educacional que beneficia alunos mimados e agressivos, professores acabam virando reféns do medo.



Foto ilustrativa

U
ma pesquisa feita pelo Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo (Apeoesp) apontou que 44% dos docentes disseram já ter sofrido algum tipo de agressão. A agressão verbal é a mais comum, segundo os professores. Para 74% dos entrevistados, o xingamento e a falta de respeito são os principais problemas. A desestruturação familiar é apontada por 47% como a razão da violência, e 49% acreditam que é resultado da educação que os alunos recebem em casa. Pelo menos 5% dos entrevistados já sofreram agressão física.

O fato é que as escolas hoje estão cheias de alunos atrevidos, desobedientes, presunçosos, cheios de orgulho, arrogantes e desinteressados de tudo, que ainda agridem, destroem, xingam e destratam a todos. E não adianta chamar os pais, por que em muitos casos são os principais responsáveis. André que é professor de matemática diz “Ao conhecer os pais fica claro o por que aquele aluno não tem respeito por nada nem ninguém”.  

Temos uma geração maior de pais permissivos, que defendem seus filhos melhor que advogado de político corrupto. Fazem pouco caso, justificam erros, diminuem a gravidade da situação, acreditam facilmente na versão do filho, distorcem fatos graves e no final culpam o professor.

Nas escolas particulares o importante é o lucro. E assim repreender um "cliente" errado não é uma opção a ser considerada. Por isso tem se tornado comum colocar toda a responsabilidade no professor, ao dizer principalmente que o educador não tem controle de turma como um tipo de limitação profissional. Não tendo a quem recorrer e ainda com medo de ser demitido, o professor acaba virando refém dos alunos. O stress aumenta e a queda no rendimento do profissional é inevitável, o que em muitos casos o leva a perder o emprego. 


Já nas escolas públicas, além das já comuns agressões contra professores, temos um sistema que começa errado e termina mais errado ainda. Onde o mau aluno é sempre beneficiado ao ser “empurrado” até se formar, geralmente sem saber ler corretamente ou fazer um cálculo básico. 

É muito difícil explicar como a situação chegou a esse ponto, mas o que tem sido consenso entre muitos especialistas, é que o grande aumento de famílias desestruturadas tem consequentemente gerado uma quantidade maior de crianças e adolescentes levando uma vida sem regras e limites básicos. E mesmo em famílias consideradas estáveis, a maioria dos pais trabalham a semana toda e não tem tempo de educar corretamente seus filhos. Seja como for a responsabilidade de colocar limites e regras tem ficado cada vez mais com o professor.

E também não parece haver um consenso sobre soluções para as causas da violência em sala de aula contra o professor, pois cada setor da sociedade tem um ponto de vista diferente sobre o assunto, e que geralmente se relacionam com os já diversos problemas sociais e políticos que a nossa sociedade não consegue resolver. 

Mas independente dos motivos, a verdade é que não podemos ter um sistema educacional, seja público ou privado, onde o professor é refém de alunos mimados e agressivos, que não querem ter nenhum trabalho na escola, e ainda são premiados e incentivados a continuar com o mau comportamento. A pergunta que fica é, se esse sistema não for logo discutido e revisto, que tipo de jovens estamos criando para formar a nossa sociedade no futuro?



Comentários

  1. Muito triste! Somente quem em sala sabe da aflição de todos nós... é lamentável vermos o rumo que o Brasil tem tomado, pois nosso sistema é fraco e irá falir nossas maiores riquezas (as pessoas)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS VISTAS

Governo anuncia Comitê de Retorno às Aulas no Paraná

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) anunciou a criação do Comitê de Planejamento de Retorno às Aulas pós-Pandemia. A intenção é discutir, entre todos os envolvidos, um plano único e robusto de retorno das aulas presenciais em todo Paraná. É deste Comitê que sairá a data definitiva de retomada das atividades presenciais.O comitê terá dois grandes objetivos. O primeiro deles é estabelecer um plano robusto e unificado de retorno das aulas presenciais em todo o Paraná. O segundo objetivo é que o Comitê seja o canal oficial e confiável de informações sobre este retorno.
Farão parte do comitê representantes de todos os setores envolvidos na Educação do Paraná e representantes da Secretaria da Saúde do Paraná.
“Queremos trazer segurança para as famílias paranaenses e isso se faz com planejamento sério e informação”, destacou. “Este é o momento crítico da doença. Estamos acompanhando de perto o trabalho feito pela Secretaria da Saúde e só voltaremos quando pudermos garantir a segurança de…

Ensino médio da Bahia fica em último lugar em avaliação do MEC

Oensino médio da Bahia ficou em último lugar, no país, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referente ao ano passado, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Educação (MEC). Assista a reportagem completa com todos os dados no vídeo abaixo:

Bahia tem segundo pior resultado do país em avaliação do MEC
O Ideb é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro, a partir da combinação entre a proficiência obtida pelos estudantes em avaliações externas de larga escala (Saeb) e a taxa de aprovação - indicador que tem influência na eficiência do fluxo escolar.

De acordo com os dados, a Bahia ficou com 3,0 pontos no ensino médio - 1,3 abaixo da meta para o ano, que era de 4,3. Além disso, a nota foi um décimo menor que a do último levantamento, feito em 2015, quando o estado ficou com 3,1 pontos.

Os motivos apontados pelo estudo do MEC par…

Estágio Caixa 2021 tem pré-inscrição aberta para vários níveis. Bolsa Auxilio até R$1.000 + benefício

A Caixa Econômica Federal (CEF) deu início ao prazo de pré-inscrição para o Programa de Estágio Caixa 2021. As oportunidades são para alunos do ensino médio, técnico e superior.
Trata-se de um processo seletivo simplificado, com validade nacional. Em parceria com o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), as vagas são para diversos municípios distribuídos em todo o Brasil.
Quem pode concorrer a uma das vagas do Estágio Caixa 2020? É permitido a participação do candidato se atendidas as seguintes atribuições:
Nível Médio/Técnico
Estudantes de cursos técnicos em Administração; Estudantes de nível técnico e integrados ao ensino médio nas áreas de Administração, Secretariado e Finanças que estejam cursando entre o 1º e o penúltimo semestre do curso; Estudantes de nível médio regular que estejam cursando do 1º ao 2º do ensino médio ou o programa de Edução de Jovens e Adultos (EJA) que estejam curando do 1º ao 3º ano; De acordo com o edital, entende-se por nível médio os cursos técnicos integra…

Aberto Concurso para níveis fundamental, médio, superior. Salários até R$16.338,38

A Prefeitura de Rio Azul, estado do Paraná, anuncia uma retificação de um de seus dois novos Concursos Públicos, destinados ao preenchimento de vagas mais formação de cadastro reserva, para profissionais de níveis fundamental, médio e superior.
De acordo com o documento (retificação I), referente ao edital nº 01/2020, houve alteração nos requisitos para os cargos de Assistente Operacional, Auxiliar de Serviços Gerais, Mecânico, Mecânico Eletricista, Operador de Máquinas.
Em mudança anunciada anteriormente com relação ao edital nº 02/2020 (retificação I), a alteração foi referente ao valor da taxa de inscrição para o cargos de nível fundamental.
Os documentos completos estão disponíveis em nosso site para consulta.
Sendo assim, as vagas disponíveis para os certames são distribuídas das seguintes formas:
Edital nº 01/2020: Assistente Administrativo; Assistente Operacional, Assistente Social; Auxiliar de Serviços Gerais; Contador, Farmacêutico; Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Mecânico; Mecâni…