Ensino médio da Bahia fica em último lugar em avaliação do MEC



O ensino médio da Bahia ficou em último lugar, no país, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referente ao ano passado, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Educação (MEC). Assista a reportagem completa com todos os dados no vídeo abaixo:
 
Bahia tem segundo pior resultado do país em avaliação do MEC

O Ideb é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro, a partir da combinação entre a proficiência obtida pelos estudantes em avaliações externas de larga escala (Saeb) e a taxa de aprovação - indicador que tem influência na eficiência do fluxo escolar.

De acordo com os dados, a Bahia ficou com 3,0 pontos no ensino médio - 1,3 abaixo da meta para o ano, que era de 4,3. Além disso, a nota foi um décimo menor que a do último levantamento, feito em 2015, quando o estado ficou com 3,1 pontos.

Os motivos apontados pelo estudo do MEC para a baixa na classificação foram abandono, atraso e notas baixas em avaliações, durante 2017.

Em contrapartida, no ensino fundamental inicial, que é do 1º ao 5º ano, a Bahia teve uma melhora em 2017. O estado saiu dos 4,7 pontos, registrados para 2015, para 5,1.

Já no ensino fundamental final, que é do 6º ao 9º ano, o índice foi o mesmo de 2015: 3,7 pontos.

Após a divulgação do resultado, governadores do nordeste, incluindo da Bahia, enviaram uma carta ao MEC, reclamando da metodologia do teste. Eles dizem que houve mudança e que, diferentemente dos outros anos, a nota do aluno que fez o exame foi replicada para o aluno que não fez.


"Nenhum sistema de educação trabalha para voltar para trás. Então, os resultados do Brasil inteiro apontam isso. Então, o que é que a gente pode dizer. Há algum equívoco na metodologia realizada pelo Inep, pelo Ministério da Educação, para fazer a divulgação dos resultados. Porque, não é justo que o esforço de todos os sistemas de educação seja jogado por terra, a partir de uma modificação de metodologia que o Inep provocou", disse Nildo Pitombo, subsecretário estadual de Educação.



SalvadorNo mesmo levantamento do MEC, Salvador apresentou avanço na média da educação municipal. A pontuação subiu de 4,7 (em 2015) para 5,3 (em 2017).

Segundo os dados, com a nota, a cidade ainda superou a meta do MEC para 2021, que era de 5,1 pontos. No ranking do país, a capital baiana subiu seis posições, saindo da 24ª para a 18ª posição.


"Nossa rede é um sistema pedagógico próprio, o que ajudou muito no avanço do Ideb. O trabalho de aceleração, ou seja, tratar aqueles alunos que estavam com atraso escolar de uma maneira especial. Entender que tudo isso só acontece investindo no professor. Tudo isso só aumenta a responsabilidade de olhar para frente e fazer ainda mais pela educação de Salvador", disse o prefeito ACM Neto
.

Comentários

  1. Herança maldita do desgoverno petista na Bahia.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Uma vergonha e um descaso. Alguns escolhem errado e todos sofrem as consequências.

      Excluir
    2. Infelizmente na bolivariana Bahia a falta de cultura ainda funciona como trampolim eleitoral

      Excluir
  3. Para os governantes deve ser bom, pois povo politizado não aceitaria muitas coisas, vinda de políticos sujos e podres, coitada da nação, onde a maioria ainda é analfabeta, pois saber escrever o nome mal é porcamente, não signica ser alfabetizado. Dá-lhes Brasil.

    ResponderExcluir
  4. Cada um publica o que quer.
    É de responsabilidade dos municípios até a 8a série desde 1996. Ao estado compete o ensino médio.
    Sugiro uma boa leitura no RELATÓRIO EDUCAÇÃO PARA TODOS NO BRASIL 2000-2015.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente aonde a esquerda maldita chamada de comuna, PT, PCd B, PSOL, PSTU, PSD, PSDB e aí vai, todos verme destrói a nação começando pelos Bairros e município

    ResponderExcluir

Postar um comentário